Planejamento financeiro na retomada: 6 dicas para preparar sua empresa

  • agosto 5, 2020

Não restam dúvidas, 2020 ficará conhecido como o ano em que o mundo parou por causa de uma pandemia. A atual crise socioeconômica vai desencadear um impacto comum para a maior parte das empresas: a queda no fluxo de caixa.

E neste sentido, o planejamento financeiro na retomada é essencial para garantir a sobrevivência dos negócios.

Com todas essas mudanças sentidas por todos nós nos últimos meses, alguns setores da economia foram mais afetados quando comparados a outros.

Mas as empresas que conseguiram sair dessa fase, com certeza, têm história para contar sobre como conseguiram driblar e superar as adversidades, como se redescobriram para amenizar os impactos e como fizeram para aplicar um novo planejamento financeiro na sua empresa.

Algumas empresas já começaram a retomar as suas rotinas e precisam fazer diversas adaptações para garantir que os seus colaboradores fiquem seguros no ambiente de trabalho e possam exercer suas funções sem muitas preocupações e, além disso, precisam também se preocupar com o seu caixa.

Para alguns gestores, o pior para os negócios já passou, e agora é preciso conhecer os números da sua empresa para analisar e tomar decisões no momento da retomada. Sabemos que o cenário ainda não está fácil!

Como preparar sua empresa para a retomada

Neste artigo, trouxe algumas dicas importantes de como fazer um bom planejamento financeiro na retomada, ser objetivo e acertar neste momento ainda delicado. Confira!

1. Conheça os números atuais da sua empresa

O primeiro passo a ser dado é realizar uma análise completa do cenário em que a sua empresa se encontra e, a partir disso, traçar planos de ação de curto, médio e longo prazo, sempre visando a manutenção das suas atividades, a retomada e a posterior estabilização das atividades na pós-pandemia.

A leitura dos indicadores será fundamental para que se possa ter uma visão clara do melhor momento para recomeçar.

As empresas terão que inovar, fazer transformações significativas em seus modelos, adotar novas formas de trabalho, novos padrões de produtividade e novas maneiras de se relacionar com o cliente.

Projetar ou analisar cenários é o ato de se preparar para diferentes situações que podem ocorrer.

Fazer essas simulações é importante para evitar que o negócio seja prejudicado por imprevistos e acontecimentos externos, como redução de demanda e crises financeiras.

2. Acompanhe o fluxo de caixa

Após meses de queda ou de quase nenhuma venda, muitos empresários compreenderam o quanto é fundamental controlar todas as entradas e saídas.

Com o fluxo de caixa bem realizado, você conseguirá compreender melhor a sua realidade e criar planejamentos financeiros mais reais e adequados à situação atual.

Assim, será mais fácil entender onde é possível cortar custos, qual é a real margem de lucratividade dos seus produtos e serviços.

A partir de agora, o fluxo de caixa se tornou uma ferramenta indispensável e que deve ser acompanhada de perto, de preferência diariamente ou semanalmente, dependendo do fluxo de vendas e de pagamentos que o seu negócio possui.

Vou te dar um exemplo de como agora mais do que nunca você precisa acompanhar o fluxo de caixa: O adiamento de tributos oferecidos pelo governo não significa que eles deixarão de existir. Precisam ser contemplados em estudos do fluxo de caixa futuro.

Isso significa que, quando vier a retomada, sua empresa terá que pagar os impostos do mês em vigor e também os que ficaram em aberto.

Estude com cuidado todas as alternativas, possibilidades de parcelamento e financiamento, para que sua empresa possa ter fôlego financeiro até que seja possível restaurar o padrão de vendas anterior.

3. Faça um bom controle do estoque

O estoque é um dos ativos mais importantes de serem controlados pela empresa, pois ele tem um grande impacto nos custos do negócio, pode ser liquidado (transformado em dinheiro) mais facilmente e influencia em todas as atividades desempenhadas na empresa.

Por exemplo, adquirir produtos em excesso faz com que a empresa utilize verbas além do necessário e fique sem capital para manter suas atividades.

Por outro lado, a falta de mercadorias também pode fazer com que um cliente acabe comprando de outra empresa.

Esse é um controle mais amplo do que muitos gestores imaginam e envolve anotação das entradas e saídas de cada item, definição do estoque mínimo e máximo, atualização dos registros, monitoramento da geração do pedido até entrega efetiva ao cliente, entre outras.

Crie uma rotina padronizada e o hábito de manter um bom controle de estoque. Isso permite que os documentos estejam sempre atualizados, que você identifique erros e aperfeiçoe o processo.

Cuidado, não estamos em época de ter estoques parados!

4. O uso de um sistema gestão financeira

Ferramentas tecnológicas podem ser grandes aliadas na gestão financeira e sucesso do negócio de forma geral, elas minimizam a ocorrência de erros, agilizam as operações, aumentam a produtividade, trazem mais segurança e reduzem custos.

Considere investir em uma ferramenta de gestão financeira para ter um controle mais efetivo e centralizado da saúde financeira da sua empresa.

5. Realize a gestão de fornecedores

Os fornecedores têm grande impacto para o sucesso de seu negócio, já que eles são responsáveis por enviar os produtos, insumos ou materiais necessários para suas atividades.

Se um de seus fornecedores fizer entregas atrasadas ou danificadas, todo seu fluxo produtivo será prejudicado.

Imagine que um recebimento de materiais seja extraviado, as atividades do seu negócio podem ficar paralisadas enquanto aguardam o problema ser resolvido.

Analise o comportamento de cada um de seus parceiros e estreite os laços com os mais comprometidos e organizados.

É comum que fornecedores ocasionalmente incorram em erros. Nesse caso, avalie a qualidade do atendimento oferecido, como eles lidam com problemas e a velocidade que conseguem solucioná-los.

Nota-se que, em épocas de crise, os fornecedores desorganizados poderão fechar suas portas, mas você terá contratos sólidos com bons parceiros e poderá desenvolver a empresa mesmo nesses momentos.

6. Defina um orçamento anual

A gestão de orçamentos tem o propósito de antecipar como serão aplicados os recursos de uma empresa em um determinado período.

Realizá-la é crucial para assegurar que a organização faça bons investimentos e que termine o ano com lucros.

Essa gestão prevê as receitas, despesas, investimentos, custos, entre outras contas e tem a finalidade de orientar como o dinheiro deve ser gasto para que a empresa alcance seus objetivos.

O orçamento deve ter os gastos divididos por cada área da empresa, trabalhar com diferentes cenários e prever uma margem de segurança para cobrir possíveis imprevistos. Use um sistema de gestão financeira para otimizar o processo.

A retomada será repleta de novos hábitos sociais e de consumo, que trará consigo outros desafios, mas também muitas oportunidades. Em contrapartida, pudemos olhar com mais atenção ao que sempre se fez importante: o planejamento financeiro.

Portanto, chegamos àquele momento em que precisamos fazer uma situação ruim transformar-se em oportunidade.

É hora de enxergar as diversas lições financeiras que a crise tem nos deixado e que devemos levá-las para a vida.

Boa Sorte!

Fonte: Blog Fortes Tecnologia

× Como posso te ajudar?